“Cidade fantasma” na Itália atrai turistas e filmes

0
14

Construções de pedra amontoadas em uma colina rochosa. Esse é um cenário comum nos vilarejos medievais da Itália, mas algo confere um caráter especial à pequena Craco, no extremo-sul da península: o vilarejo, existente desde o século 8, está abandonado. Situado a 56 quilômetros de Matera, capital europeia da cultura em 2019, o burgo foi um entreposto bizantino, teve uma universidade no século 13 e ganhou sua forma atual no reinado de Frederico II, do Sacro Império Romano-Germânico (1220-1250).

Suas construções, no entanto, estão abandonadas desde 1963, quando um grande deslizamento de terra forçou a população a se mudar para o vale, em uma localidade batizada como “Craco Peschiera”. O centro histórico do vilarejo abrigava na época cerca de 2 mil habitantes, mas hoje está vazio, a não ser pelos turistas que se aventuram por suas vielas medievais. A população do vale soma hoje pouco mais de 700 moradores, e Craco vive basicamente do turismo e da indústria cultural.

A beleza cenográfica do burgo o tornou cenário de inúmeros filmes a partir dos anos 1970, inclusive “A Paixão de Cristo”, de Mel Gibson, que rodou o enforcamento de Judas no vilarejo. O governo local criou percursos seguros para atrair turistas e permite visitas guiadas de uma hora à “Craco Antiga”, com um roteiro concentrado nas ruas do burgo medieval. A cidade também conta com um mosteiro com vistas panorâmicas, além de mostras fotográficas permanentes sobre a memória histórica da vila, o deslizamento de 1963 e a ligação de Craco com o cinema. O passeio pelas ruínas custa 10 euros, enquanto o cartão válido para todas as atrações da cidade sai por 15 euros.

Fonte: UOL

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.